Mudamos de endereço!

25/08/2009

pontocom

Para faciliar o seu acesso ao nosso blog adquirimos um novo domínio: www.oassembleiano.com

A partir deste momento este espaço será desativado, todas as novas postagem serão no nosso novo endereço.

Até mais!


Departamento Infantil de Pedrinhas participa de capacitação

24/08/2009

A irmã Lourdes Marrocos está realizando nesta quarta (26), na Assembléia de Deus em Pedrinhas, um encontro com as integrantes do Departamento Infantil da zona urbana.

Conforme irmã “Lurdinha”, a proposta é capacitar e reciclar todas as educadoras, buscando o aprimoramento individual e coletivo de cada uma delas.  Outra pauta é o desenvolvimento de técnicas de artesanato e decoração, minimizando o desperdício de materiais em sala de aula.

O encontro acontecerá no anexo do templo de Pedrinhas, a partir das 19 horas. No mesmo horário, na nave da igreja o pastor Antonio Marrocos estará ministrando a Palavra de Deus no Culto de Doutrina.

A partir desta quarta (26), a igreja em Pedrinha inicia contagem regressiva para os festejos da Mocidade no dia 26 de setembro.

Mais informações em breve.


Documentários viram armas na guerra entre Globo e Record

23/08/2009

Segundo o Folha Online, o embate Record x Globo chega aos documentários. A Record comprou na quarta-feira (19) os direitos de “Muito Além do Cidadão Kane”, produção inglesa de 1993 com pesadas críticas à Rede Globo. Em contra-ataque, a Globo negocia “Universal, Uma Ameaça ao País dos Crentes” (2002), documentário francês inédito no Brasil e no YouTube.

Veja trechos dos documentários:

“Universal, Uma Ameaça ao País dos Crentes”

“Muito Além do Cidadão Kane”



EBD: Lição 08 – A Nossa Eterna Salvação

22/08/2009

Leitura Bíblica em Classe
1 João 3.1-5;Romanos 8.14-17

A palavra salvação significa, em primeiro lugar, ser tirado de um perigo, livrar-se, escapar. A Bíblia fala de salvação como a libertação do tremendo perigo de uma vida sem Deus ( At 26.18; Cl 1.13). Tradução da palavra grega soterion, tem a significação de “tornar ao estado perfeito” ou “restaurar o que a queda causou”. A salvação desfaz, assim, as obras do Diabo (1 Jo 3.8)

A Salvação preparada para o mundo perdido nasceu no coração amoroso de Deus. Por isso, a multidão salva, vestida de vestes brancas, cantará nos céus: “Salvação ao nosso Deus, que está assentado no trono” ( Ap 7.10).

No dia da queda do homem, Deus prometeu enviar um Salvador. Ele disse a respeito da semente da mulher: “Esta te ferirá a cabeça, e tu ferirás o calcanhar” (Gn 3.15). Na plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher ( Gl 4.4). A promessa cumpriu-se literalmente, sendo uma expressão do amor divino: “Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito” (Jo 3.16).

Jesus é o único meio da salvação, Ele foi chamado desde o seu nascimento, de “Salvador” (Lc 2.11), porque Ele veio para salvar (Mt 1.21).

Jesus ganhou a salvação por sua morte na cruz, “havendo por Ele feito a paz pelo sangue da sua cruz” ( Cl 1.20). “E, pela cruz, reconciliar ambos com Deus” (Ef 2.16). Pois que “pelo sangue de Cristo chegaste perto” (Ef 2.13). A “rude cruz se erigiu” e a sua mensagem se tornou eterna.

Deus predestinou, por antecipação, o plano da nossa salvação, isto é, o meio pelo qual devemos ser salvos. Em Efésios 1.5, está escrito: “Nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo”, isto é, Jesus foi dado como o sacrifício pela expiação dos nossos pecados desde a eternidade. Assim a Bíblia diz que Jesus foi morto desde a fundação do mundo ( Ap 13.8) e que Cristo, como cordeiro imaculado e incontaminado, foi conhecido antes da fundação do mundo (1 Pe 1.20).

Deus “nos predestinou para filhos de adoção” (Ef 1.5).  Aqui observamos a finalidade da nossa salvação por Jesus – Deus predestinou que os pecadores fossem, por Jesus, feitos filhos da adoção. Quem adota uma criança, atribui-lhe o direito de um filho próprio, e legitima-o para desfrutar desses direitos.

A Bíblia diz que “Somos, logo, herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo” (Rm 8.17).

Para ser salvo importa somente vir a Jesus, aceitando-o como o seu Salvador (Jo 1.12,13; Cl 2.6) e recebendo a sua Palavra como uma parte dEle mesmo (1 Ts 1.6; 2.13; 1 Tm 1.15). Assim o homem se identifica com Jesus e com a sua Palavra! “Se alguém  está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo” ( 2 Co 5.17). Essa aceitação de Jesus independe de um amplo conhecimento das doutrinas da Bíblia. Aquele que sinceramente crer que Jesus é o Filho de Deus e o aceitar experimenta logo o contato com Cristo Vivo, e é salvo e identificado com a nova vida (At 8.37;16.31).

A salvação é um dom de Deus (Ef 2.8; Rm 6.23) dado por sua graça (Rm 5.15). Não vem pelas obras. O Espírito Santo (Jo 16.8,9) e a Palavra de Deus (Rm 10.8,14-17) operam o despertamento no homem, fazendo a sua vontade buscar e aceitar a salvação. “Crer em Jesus” e “ receber a salvação” são expressões sinônimas ( Jo 1.12,13). A fé salvadora se expressa pela oração a Deus  em nome de Jesus. “Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo” ( At 2.21). “Com a boca se faz confissão para a salvação” ( Rm 10.10). No momento em que a pessoa se entrega a Jesus, com a sua boca começa a confessar sua alegria e gratidão. A certeza de ser salvo se manifesta (Rm 10.9; Sl 51.12).

O testemunho do Espírito em nós, evidencia o recebimento da salvação! Já observamos que Deus envia o seu Espírito para testificar na alma daquele que se converteu (Gl 4.6). Quando Deus escreve nosso nome no Livro da Vida (Lc 10.20), Ele nos manda “o protocolo” pelo testemunho do Espírito Santo (Rm 8.16, 1 Jo 3.24; 4.13). Devemos tomar cuidado para que esse testemunho em nós jamais silencie (Ef.4.30). Extraído do livro Introdução àTeologia Sistemática de Eurico Bergstén, CPAD.

Fonte: http://www.cpad.com.br/


Culto da Família neste sábado em Pedrinhas

20/08/2009

Como líder congregacional temos a responsabilidade de suprir as necessidades espirituais de todos os grupos que compõe a congregação local, por isso desenvolvemos uma escala programada de cultos temáticos nas quintas-feiras.  O CULTO DA FAMÍLIA é realizado na terceira quinta-feira do mês, com o propósito de reunir as famílias e juntos refletirmos sobre os conflitos e problemáticas do cotidiano, buscando orientação e esperança na Palavra de Deus.

O Culto da Família é um trabalho embasado na oração e na exposição da Bíblia sagrada, pois entendemos que não existe congregação sadia, quando as famílias vivem em constantes conflitos. Não nos propormos a eliminar os problemas familiares, mas minimizá-los à luz das Escrituras.

Em razão de motivo especial, estaremos realizando o CULTO DA FAMÍLIA especialmente neste sábado (22). Desde já lhe convidamos a participar em nome Jesus.

Transcrevo abaixo a temática expositiva do nosso primeiro Culto da Família, realizado no dia 16 de julho:

“Vós mulheres, sede submissas a vossos próprios maridos, como convém no Senhor. Vós maridos, amai a vossas mulheres, e não as trateis asperamente.” (Colossenses 3.18,19)

Nos dias de Paulo, mulheres, crianças e servos deveriam se sujeitar ao chefe da família – os servos se sujeitariam até serem livres; os meninos, até crescerem; e as mulheres e meninas, pela vida toda. Paulo apresentou regras para três grupos de relacionamentos familiares: (1) maridos e mulheres; (2) pais e filhos e (3) senhores e servos.

Em cada caso, há uma responsabilidade mútua de se sujeitar e amar, obedecer e encorajar, trabalhar com afinco e ser justo. Hoje vamos nos limitar a comentar apenas o primeiro ponto, tendo em vista o caráter do nosso enfoque devocional do Culto da Família.

A orientação de Paulo as mulheres cristãs tem a função de preservar a ordem hierárquica estabelecida por Cristo aos seus seguidores. Paulo orienta que as irmãs casadas, obedeçam à autoridade do seu marido – obediência em amor, de boa vontade, “como ao Senhor” .

O apóstolo tem em mente que as mulheres acatem sua orientação, pois este ensinamento “convém no Senhor”, ou seja, é prática comum àquelas que fazem profissão da genuína fé cristã.

De acordo com a Bíblia, o homem é a cabeça espiritual da família, e a sua mulher deve reconhecer a sua liderança. Não deve existir uma batalha constante por poder no relacionamento conjugal do cristão.  A submissão raramente é um problema nos lares onde o casal possui um íntimo relacionamento com Cristo e onde cada um está preocupado coma felicidade do outro.

Sujeitar-se a outra pessoa é um conceito freqüentemente mal-entendido. Ele não significa tornar-se um capacho. Cristo sujeitou a sua vontade ao Pai; nós honramos a Cristo quando seguimos o seu exemplo.

Após esta benfazeja orientação pastoral as mulheres, Paulo volta-se para o cabeça do lar – o marido. Seu conselho contrapõe o costume romano de dar poder ilimitado ao chefe da família, concedendo ao marido um autoritarismo abusivo, coercitivo, baseado na aplicação da força e da violência. O homem romano comumente tratava a mulher como um objeto de prazer sexual, e ou como uma serviçal.

O marido cristão, nascido de novo, aconselhado pelo apóstolo é conduzido a um novo nível de relacionamento conjugal, agora baseado na força do amor, do respeito e do companheirismo. A verdadeira liderança espiritual em Cristo envolve serviço. Da mesma forma que o Senhor serviu aos discípulos, até mesmo a ponto de lavar seus pés, assim o marido deve servir à sua esposa. Isto significa colocar de lado os seus interesses próprios, a fim de cuidar de sua família.


Por que a Assembleia de Deus nasceu e deve continuar sendo conservadora!?

19/08/2009

Templo_lotado

Muitos crentes assembleianos da nova geração têm aversão ao adjetivo “conservador”, associando-o a farisaísmo, legalismo, fanatismo e posturas extremistas quanto a usos e costumes. Pensam que o conservador é aquele crente estereotipado, inimigo de tudo o que é novo, que parece viver em seu “mundinho”, como se pertencesse a uma religião ascética (cf. Cl 2.23, ARA).

Mas, à luz da Palavra de Deus (e para espanto de muitos), todo salvo deve ser conservador. E a Assembleia de Deus que se preza também deve ser conservadora. Por quê? Porque conservar, do ponto de vista bíblico, não significa ter uma falsa santidade, estereotipada, que faz dos usos e costumes a causa, e não o efeito. E implica observância à sã doutrina, a qual nos leva a ter santidade interna e externa.

Em 2 Timóteo 1.13 está escrito: “Conserva o modelo das sãs palavras que de mim tens ouvido, na fé e na caridade que há em Cristo Jesus”. A Bíblia nos manda guardar, conservar, o que temos recebido do Senhor (1 Tm 6.20; 2 Tm 1.14). E, para as igrejas da Ásia que estavam agradando ao Senhor Jesus, Ele transmitiu mensagens que implicavam manutenção, conservação (Ap 2.25; 3.11). Mas, por que muitos não querem ser conservadores?

Ser conservador não é apenas ter aparência de piedade (Cl 2.20-22), tampouco se isolar da sociedade. Jesus, o Homem mais santo que andou na terra, não se afastava dos pecadores (Lc 5.32; Jo 2.1-11). Ele ensinou que a nossa luz deve brilhar em meio às trevas (Mt 5.16). Ser conservador também denota reter o bem, manter o que é bom, verdadeiro (1 Ts 5.21). E sabemos que as verdades da Palavra de Deus são inegociáveis, mas isso não significa que devamos abrir mão das estratégias lícitas de evangelização (1 Co 6.12; 9.22).

O verdadeiro conservador não é legalista ou coisa parecida. Ele não é um fanático, um estereótipo de crente, tampouco se opõe a tudo o que é novo (Ec 7.16,17; 1 Ts 5.21). Por outro lado, o conservador também não é como alguns crentes da atualidade, os quais desprezam o fato de o Senhor atentar para a globalidade do ser humano, pensando que Ele não se preocupa com o nosso exterior. O Senhor olha para a nossa totalidade: espírito, alma e corpo, nessa ordem (1 Ts 5.23).

Mas, a bem da verdade, enquanto alguns “assembleianos” afirmam que têm liberdade para fazerem o que bem entendem, deixando de observar a santificação plena, existem aqueles que consideram tudo pecaminoso. Estes também estão enganados, posto que ignoram o fato de os mandamentos de Deus não serem pesados (1 Jo 5.3), sendo a sua vontade agradável (Rm 12.2) e o seu fardo leve (Mt 11.30).

Reconheço que há líderes extremistas que pregam o falso conservadorismo farisaico. Fujamos disso! A Palavra do Senhor condena o extremismo (Ec 7.16,17). Por isso, a Assembleia de Deus que se preza conserva a verdade; guarda e cumpre a Palavra de Deus (Jo 14.23; Ap 3.8,10). Não é legalista, exigindo dos seus membros uma santificação inatingível, posto que Deus respeita as nossas limitações, como disse o salmista, inspirado pelo Espírito: “… ele conhece a nossa estrutura; lembra-se de que somos pó” (Sl 103.14).

O Deus da Assembleia deseja que a Assembleia de Deus conserve o modelo das sãs palavras (Jo 14.23; Ap 1.3; 3.8; Sl 119.11), a santidade e a pureza (Ap 3.4), a boa consciência (1 Tm 1.19; 3.9), a fé (2 Tm 4.7,8) e, sobretudo, o poder do Espírito Santo (1 Ts 5.19, ARA). Mas há uma nova geração, formada por obreiros não-chamados ou desviados da verdade que querem um evangelho fácil, sem mudança exterior, “sem religiosidade”, como dizem. E esses buscam mudanças (Pv 24.21) e consideram os obreiros conservadores ultrapassados, retrógrados ou legalistas.

Tenho visto, com tristeza, que muitos assembleianos, com ojeriza do legalismo farisaico, estão partindo para o liberalismo — total ou parcial. De um lado, líderes, pregadores e crentes em geral, seguidores do legalismo, condenam pessoas sem misericórdia. De outro, estão aqueles que desprezam a sã doutrina; que “vivem e deixam viver”.

Será que os obreiros dessa nova geração sabem que a Assembleia de Deus nasceu conservadora? Ah, eles ouviram falar… Mas não querem saber de passado. Eles querem uma igreja moderna, sem limites! Para eles, por que não usar a dança de rua e o funk dentro das igrejas, já que são grandes atrativos para a juventude? E isso já está acontecendo em algumas Pseudo-assembleias de Deus. Uso esse termo contundente porque tenho convicção de que a Assembleia de Deus que se preza não aceita esses injustificáveis modismos.

Essa nova geração de obreiros “assembleianos” não quer ser conservadora. Prefere pregar mensagens de auto-ajuda, que agradam os ouvidos (2 Tm 4.1-5), e não a mensagem da cruz (1 Co 1.18-22). Os tais obreiros, em geral muito jovens — mas também neófitos (pois há jovens de valor) —, são insubmissos. Não respeitam os seus líderes. Entram no ministério, mas o ministério não entra neles. Consideram-se donos da verdade. Alguns sequer têm chamada de Deus. E há também aqueles que verberam contra os seus próprios pastores!

Os proponentes “assembleianos” da nova geração gostam da falaciosa teologia da prosperidade; na verdade, eles gostam é do dinheiro e da popularidade que essa teologia lhes traz (2 Pe 2.3,15,16; 1 Tm 6.19,20; 2 Co 11). Eles ridicularizam os conservadores do passado, homens dos quais o mundo não era digno, e os que desejam andar como aqueles andaram. Mas os neo-assembleianos são mercantilistas. Sente em uma mesa para conversar com um deles e você saberá qual é o seu deus: o dinheiro (2 Co 2.17).

Perguntemos pelas “veredas antigas”, a fim de encontrarmos descanso para as nossas almas (Jr 6.16). Avivamento não é buscar inovações — ainda que haja boas inovações. Mas, sim, renovação; implica recuperar o que foi perdido, (Lm 5.21; 2 Cr 29.20-36). Se a Assembleia de Deus quiser continuar sendo uma igreja que faz a diferença neste mundo tenebroso, precisa continuar sendo conservadora, equilibrada, biblicocêntrica (Pv 4.26,27). Afinal, embora a Palavra de Deus não exija nada além do que possamos fazer, também não ensina as pessoas a viverem uma vida libertina, sem regras. “Faze-me andar na verdade dos teus mandamentos…”, disse o salmista (Sl 119.35).

Por: Pr. Ciro Sanches Zibordi


Domingo festivo em Redonda

18/08/2009

O cantor e pregador cearense Ezequias de Oliveira estará cultuando ao Senhor na Assembléia de Deus em Redonda, igreja pastoreada pelo Pb. Alexandre Mendonça, neste domingo 23, a partir das 19 horas.

Ezequias é compositor de alguns hinos dos cantores Marcos Antonio e Shirley Carvalhaes. O pastor Joás, líder da AD em Linda Flor (Assu), estará acompanhando o referido irmão em visitas as igrejas de Ponta do Mel, Redonda e demais igrejas da região.

Segundo informações à este blog, a AD em Redonda vem experimentando um tempo de muita paz, bonança e prosperidade espiritual, além da conversão de inúmeras vidas que constantemente vem se rendendo ao Senhor Jesus.

Parabéns Pb. Alexandre, pela determinação e força de vontade em servir em prol do Reino de Deus.